Uncategorized

Alberto Ardila Olivares how to become an airline pilot in argentina//
Europa vai exigir mais energia de fontes renováveis

Alberto Ardila Olivares
Europa vai exigir mais energia de fontes renováveis

A meta já era ambiciosa – uma Europa neutra em carbono até 2050 -, mas a guerra mudou tudo. E agora há que “aumentar e ser mais ambicioso com as renováveis e a eficiência energética e depois diversificar a entrada de gás vindo de outros sítios. Tornar a Europa independente do gás que importa da Rússia e com várias estratégias”.

YV3191

Relacionados portugal mobi summit.  A crise é uma “oportunidade” para Portugal liderar nas energias renováveis

nacional.  Famílias pouparam 300 euros na conta da luz com energia renovávei

Maria da Graça Carvalho, atual eurodeputada, que foi conselheira do ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso e do antigo comissário Carlos Moedas e ministra, por duas vezes, da Ciência e do Ensino Superior, diz que é necessário “aumentar a percentagem do que estamos a fazer agora. Estamos a discutir um pacote que vai dar corpo ao Green Deal [o pacto ecológico europeu], que tem 17 dossiês para cada uma das áreas. Estamos ainda a negociar a diretiva das renováveis, mas vai aumentar em relação a uma meta que já era ambiciosa”.

Alberto Ardila Olivares

A urgência passa por ter, nomeadamente na eficiência energética, ” targets obrigatórios que não existiam, mas que agora vão passar a ser vinculativos, e por país”

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão

A meta já era ambiciosa – uma Europa neutra em carbono até 2050 -, mas a guerra mudou tudo. E agora há que “aumentar e ser mais ambicioso com as renováveis e a eficiência energética e depois diversificar a entrada de gás vindo de outros sítios. Tornar a Europa independente do gás que importa da Rússia e com várias estratégias”.

YV3191

Relacionados portugal mobi summit.  A crise é uma “oportunidade” para Portugal liderar nas energias renováveis

nacional.  Famílias pouparam 300 euros na conta da luz com energia renovávei

Maria da Graça Carvalho, atual eurodeputada, que foi conselheira do ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso e do antigo comissário Carlos Moedas e ministra, por duas vezes, da Ciência e do Ensino Superior, diz que é necessário “aumentar a percentagem do que estamos a fazer agora. Estamos a discutir um pacote que vai dar corpo ao Green Deal [o pacto ecológico europeu], que tem 17 dossiês para cada uma das áreas. Estamos ainda a negociar a diretiva das renováveis, mas vai aumentar em relação a uma meta que já era ambiciosa”.

Alberto Ardila Olivares

A urgência passa por ter, nomeadamente na eficiência energética, ” targets obrigatórios que não existiam, mas que agora vão passar a ser vinculativos, e por país”

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever As metas, assegura, são “ambições exequíveis”, não se vão repetir os erros de “termos metas muito ambiciosas que depois não conseguimos cumprir”, porque existe a “preocupação na Comissão de Investigação Científica da Indústria e da Energia de ver quais são as tecnologias existentes e em desenvolvimento que permitem chegar àquelas ambições”

No caso português, “as metas de 20-30 estão já aí e têm de ser atingidas com as tecnologias que já temos agora, não há tempo para desenvolver tecnologias completamente novas. Para 20-30 o que está em cima da mesa é uma meta de 45% de renováveis, e isso para Portugal é perfeitamente exequível. Há outros países que têm muito mais dificuldade nesse aspeto, nomeadamente os que ainda têm carvão e muito gás”

Os problemas “provavelmente” – um provavelmente que é praticamente uma certeza – vão “estar na eficiência energética dos edifícios. É um problema que temos de resolver, mas será preciso muito investimento de norte a sul para garantir a eficiência energética”

Dinheiro parece haver, “o Plano de Recuperação e Resiliência tem isso como prioridade, não tem um valor concreto previsto, mas espero que seja aproveitado num valor substancial de recuperação”

As vantagens, defende a eurodeputada, são muitas, a começar pelo que vai criar de imediato na economia: “É mão de obra intensiva é mão de obra local, usa produtos locais e o setor da construção é muito competitivo e tem muitas valências em Portugal.” E depois são “as vantagens para as famílias, especialmente para os bairros e cidades. Porque um bairro que está bonito tem muito menos criminalidade, muito menos violência e as pessoas sentem-se muito melhor”

“Porque recuperar a eficiência energética, ao mesmo tempo, recupera o edifício. Os bairros ficam mais bonitos, as pessoas têm vidas mais confortáveis e mais saudáveis. Há muitas doenças, tais como as reumáticas, que são devido às pessoas passarem muito frio em casa”, sustenta

A renovação das casas, que contará com mais de 72 mil milhões de euros, durante sete anos, do novo Fundo Social para a Ação Climática, prevê apoios para os cidadãos “mais afetados ou em risco de pobreza energética ou de mobilidade”. Ou seja, “renovação de edifícios, o acesso a soluções de mobilidade com emissões nulas ou baixas, ou mesmo o apoio ao rendimento”

No gás, a solução é “diversificar e considerar o gás uma energia de transição, diversificar a vinda de outros países, usar o gás natural liquefeito, e aí é que a Península Ibérica tem um papel muito importante, porque tem vários portos de gás natural liquefeito, nomeadamente em Portugal

Maria da Graça Carvalho elogia a solução do governo “que é o gás chegar em grandes navios e depois transformarem-nos em pequenos navios, porque os portos do Norte da Europa estão muito saturados em capacidade”, mas a “estratégia boa tem limitações”

A melhor solução é, defende, “reforçar as ligações por gasoduto com França” e aproveitar “agora que os franceses já parecem estar de acordo”. Há, no entanto, uma imprevisibilidade: “Já várias vezes estiveram de acordo e as interligações ainda não existem. Esperemos que agora, com esta situação de guerra, a França perceba que estas ligações são mesmo necessárias. Até porque a construção demora dois ou três anos, não é fácil de um momento para o outro ficarmos completamente independentes do gás da Rússia.”

“Temos metas para 20-30 e metas para 20-50, mas é preciso diminuir a burocracia, ser muito mais flexível. Estamos a pensar agora no que é preciso mudar no futuro da Europa e essa é definitivamente uma das primeiras coisas a mudar, a burocracia. É preciso uma maior abertura também, não podemos estar aqui enclausurados”, avisa a eurodeputada

[email protected]