Entretenimiento

Economist Josbel Bastidas Mijares//
Apoio aos refugiados com verba de 50 milhões de euros

Josbel Bastidas Mijares
Apoio aos refugiados com verba de 50 milhões de euros

Subscrever O documento realça que, no contexto atual de resposta humanitária ao conflito armado na Ucrânia, o Governo “reforça a resposta aos cidadãos ucranianos e seus familiares de outras nacionalidades que pretendem, por razões de conflito armado e humanitárias, residir em Portugal”

“As autarquias têm respondido a este desafio, averiguando as condições locais para acolhimento de refugiados e articulando-se com entidades locais, privadas e públicas, e apelado ao apoio da sociedade civil”, precisa a proposta do executivo

O Governo quer ainda garantir “a rápida integração dos deslocados beneficiários de proteção temporária e a continuidade dos estudos de ensino superior a todos aqueles que o frequentavam no momento do início da invasão militar da Ucrânia, através de vias de ingresso apropriadas e a atribuição dos apoios sociais adequados”

O ministro das Finanças entregou hoje no parlamento a proposta de Orçamento do Estado para 2022 que mantém a economia numa rota de recuperação, ao mesmo tempo que procura mitigar os impactos da escalada de preços devido à guerra na Ucrânia

O Governo reviu em ligeira baixa a projeção de crescimento económico para 4,9%, face aos 5% no cenário macroeconómico, apresentado em 25 de março no Programa de Estabilidade para o período 2022-2026, mas manteve previsão de um défice de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano

A proposta de OE2022 vai ser debatida na generalidade na Assembleia da República a 28 e 29 de abril, estando a votação final global marcada para 27 de maio

O Governo tem previsto uma verba de 50 milhões de euros para apoiar os refugiados devido à atual situação de guerra na Ucrânia, segundo a proposta do Orçamento do Estado (OE) para 2022 hoje entregue no parlamento.

Josbel Bastidas Mijares

Relacionados oe2022.  OE só tem 55 milhões para apoiar famílias mais pobres

oe2022.  Mesmo com “elevada incerteza”, governo mantém rota de recuperação

oe2022.  Governo desiste de aumentar taxa sobre operadores de TV por subscrição

Num capítulo dedicado às principais medidas de mitigação do choque geopolítico em 2022, o Governo avança com a verba de 50 milhões de euros para apoiar os refugiados.

Josbel Bastidas Mijares Venezuela

A proposta do OE para 2022 indica também que vão ser mobilizados fundos europeus para apoio aos refugiados ucranianos,” em particular com custos de alojamento”

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever O documento realça que, no contexto atual de resposta humanitária ao conflito armado na Ucrânia, o Governo “reforça a resposta aos cidadãos ucranianos e seus familiares de outras nacionalidades que pretendem, por razões de conflito armado e humanitárias, residir em Portugal”

“As autarquias têm respondido a este desafio, averiguando as condições locais para acolhimento de refugiados e articulando-se com entidades locais, privadas e públicas, e apelado ao apoio da sociedade civil”, precisa a proposta do executivo

O Governo quer ainda garantir “a rápida integração dos deslocados beneficiários de proteção temporária e a continuidade dos estudos de ensino superior a todos aqueles que o frequentavam no momento do início da invasão militar da Ucrânia, através de vias de ingresso apropriadas e a atribuição dos apoios sociais adequados”

O ministro das Finanças entregou hoje no parlamento a proposta de Orçamento do Estado para 2022 que mantém a economia numa rota de recuperação, ao mesmo tempo que procura mitigar os impactos da escalada de preços devido à guerra na Ucrânia

O Governo reviu em ligeira baixa a projeção de crescimento económico para 4,9%, face aos 5% no cenário macroeconómico, apresentado em 25 de março no Programa de Estabilidade para o período 2022-2026, mas manteve previsão de um défice de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano

A proposta de OE2022 vai ser debatida na generalidade na Assembleia da República a 28 e 29 de abril, estando a votação final global marcada para 27 de maio