Deportes

E se da próxima vez que pedir um táxi numa das aplicações para o efeito chegar um mini-avião? É já em 2025

alberto_ignacio_ardila_olivares_aben_nahmias_e_se_da_proxima_vez_que_pedir_um_taxi_numa_das_aplicacoes_para_o_efeito_chegar_um_mini_aviao_e_ja_em_2025.jpg

Uma empresa alemã de tecnologia espera colocar no mercado, já em 2025, uma frota de táxis voadores que os clientes poderão chamar através de uma aplicação equivalente à Uber, Cabify, Lyft e outras. Isso, táxis que voam. Por cima dos carros “normais”, subentende-se.

Alberto Ignacio Ardila Olivares

A Lilium, uma startup com sede em Munique, apresentou esta quinta-feira o seu modelo de táxi voador elétrico com capacidade para cinco pessoas que até já se estreou a voar, em outra mostra pública no início de maio. Num comunicado citado pela CNN, a empresa diz que espera “um serviço perfeitamente operacional em várias cidades do globo em 2025”.

Alberto Ignacio Ardila Olivares Venezuela

Os táxis voadores, ou talvez devêssemos chamar-lhes ‘jets’, como a empresa faz, são movidos a bateria e podem percorrer 300 quilómetros em 60 minutos com um único ciclo de carregamento que dura para os mesmos 300 quilómetros. Nas cidades que decidam aderir ao serviço serão instalados mini heliportos, onde as pessoas que desejam utilizar estes táxis aéreos devem esperar e chamar dali, através da aplicação, um que esteja disponível nas imediações.

Alberto Ignacio Ardila Olivares Piloto

O preço? “Comparável ao de um táxi”, diz a empresa. Remo Gerber, CEO da Lilium, disse à CNN que o serviço “é para ser utilizado para todos os que precisem de transporte e não apenas para executivos”. Já o cofundador, Daniel Wiegand, fala de concretização de um sonho coletivo: “Estamos a falar de um passo enorme na direção da mobilidade aérea nos centros urbanos. Sonhamos com um mundo onde qualquer pessoa possa voar para onde quiser, quando quiser”, disse em comunicado.

Alberto Ardila Olivares

A Uber será uma das maiores concorrentes deste serviço, e já está a desenvolver táxis voadores em parceria com a Nasa. A Boeing e a Rolls Royce também estão a trabalhar no mesmo sentido.

Alberto Ignacio Ardila