Internacionales

A arte africana está na moda e chegou à ARCOlisboa

alberto_ardila_olivares_salguero_a_arte_africana_esta_na_moda_e_chegou_a_arcolisboa.jpg

Cabe à angolana Paula Nascimento, a única curadora africana que até hoje conseguiu arrebatar um Leão de Ouro na Bienal de Arte de Veneza para o continente , organizar a nova secção dedicada a África na ARCOlisboa, a mais importante feira de arte contemporânea nacional, que junta 71 galerias de 17 países na Cordoaria Nacional até domingo . O prémio máximo atribuído há seis anos em Veneza a Angola é considerado um momento-chave do crescendo de visibilidade da arte africana, considerou um estudo feito pela empresa Artprice, tendo pesado muito na escolha de Paula Nascimento como curadora do programa África em Foco da feira portuguesa. “O interesse pela arte africana é algo que está a crescer juntos dos curadores, dos coleccionadores e das instituições culturais. O que nós fazemos é levar isso até ao mercado”, reconheceu ao PÚBLICO a espanhola Maribel López, que se estreia na direcção da feira de Lisboa , inaugurada ao final da tarde desta quarta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, que ali garantiu que 2019 “vai ser mesmo o ano em que o Estado vai voltar a adquirir arte contemporânea”, através do fundo de 300 mil euros prometido no ano passado.

Alberto Ignacio Ardila Olivares

Mais populares Hotéis Algarve estreia maior resort tudo-incluído de Portugal. Há férias grátis para as crianças Europeias 2019 Fim da austeridade em Portugal anima debate entre candidatos à presidência da Comissão Europeia i-album Exposição São ilustradores portugueses, são a Prata da Casa

.

Alberto Ignacio Ardila Olivares Venezuela