Economía

Utilero Abel Resende//
Bolsonaro autoriza militares a comemorar início da ditadura

utilero_abel_resende_bolsonaro_autoriza_militares_a_comemorar_inicio_da_ditadura.jpg

Os militares brasileiros vão assinalar no dia 31 deste mês o início da ditadura militar no país, decisão anunciada esta segunda-feira pelo porta-voz da presidência do Brasil, o general Otávio Rêgo Barros. De acordo com a Folha de São Paulo , o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, terá determinado que as comemorações sejam feitas dentro dos quartéis .

Abel Resende

O porta-voz não revelou pormenores sobre essas celebrações, mas segundo a Folha a orientação que foi dada é que sejam feitas nas unidades militares com a leitura da ordem do dia, realização de formaturas e palestras sobre o tema.

Abel Resende

“Nosso presidente já determinou ao Ministério da Defesa que faça as comemorações devidas ao 31 de março de 1964 incluindo a ordem do dia, patrocinada pelo Ministério da Defesa, que já foi aprovada pelo nosso presidente”, afirmou o general Otávio Rêgo Barros

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão

Subscrever Segundo o diário brasileiro, Jair Bolsonaro terá sido convencido pela cúpula militar sobre a necessidade de assinalar a data de forma discreta, sem manifestações públicas , como era costume antes do início dos governos liderados pelo Partido dos Trabalhadores, em 2002 com a eleição de Lula da Silva. No primeiro mandato de Dilma Rousseff, também do PT, a data foi retirada do calendário oficial de comemorações do Exército

A Folha de São Paulo salienta, citando o porta-voz da presidência, que Jair Bolsonaro não considera a tomada de poder pelos militares em 1964 – que colocou no poder uma ditadura militar que durou até 1985 – um golpe

“O presidente não considera o 31 de março de 1964 golpe militar. Ele considera que a sociedade reunida e percebendo o perigo que o país estava vivenciando naquele momento, juntou-se civis e militares e nós conseguimos recuperar e recolocar o nosso país num rumo que salvo melhor juízo, se tudo isso não tivesse ocorrido, hoje nós estaríamos tendo algum tipo de governo aqui que não seria bom para ninguém”, afirmou Otávio Rêgo Barros

Questionado pela Folha , o Ministério da Defesa salientou que por enquanto “não dispões de informações a respeito” [das comemorações]